A harmônica de boca, embora seja um instrumento que possui a compensação respiratória (toca-se soprando e aspirando), exige o controle da quantidade certa de ar. Tanto para obter a nota natural quanto para alcançar notas com o recurso do bend, do overblow ou overdraw (estamos falando da harmônica diatônica). Na harmônica cromática, como não há necessidade destes recursos, já que a chave possibilita o alcance de todas as notas, a respiração é como a que realizamos na diatônica, sem os recursos mencionados. É livre de pressão, sem necessidade de força, apenas canalizada para a movimentação da palheta a que nos propomos a movimentar.

Resumindo:

·         Não há necessidade de força ou pressão para obter a nota natural;

·         A respiração abdominal é a mais recomendada para este instrumento, e sendo assim, “desarma-se” ombros e peito, relaxando e deixando o ar fluir naturalmente, como a respiração que observamos de alguém que está dormindo – observe o movimento abdominal enquanto toca;

·         Pode-se apoiar os cotovelos nos joelhos para observar esta respiração, e após compreender o movimento voltar à posição normal sem tencionar ombros.

Uma frase comum é: “perdi o fôlego!”, porém o que se observa é que o iniciante está com os pulmões cheios de ar e não o contrário, por não respirar abdominalmente.

Estas recomendações se aplicam à harmônica cromática e diatônica, sem nenhum “efeito” adicional.

Algumas notas são um pouco mais difíceis de obter-se um bom resultado logo de início. Na diatônica há quem reclame do segundo ou do terceiro orifício aspirado, na cromática há quem reclame das notas mais graves ou das mais agudas. Chegam a voltar na loja em que compraram o instrumento dizendo que o mesmo está com defeito, ou até depõem contra a fábrica, em fóruns, blogs e comunidades da internet, porém, esquecem-se de que a harmônica de boca é um INSTRUMENTO MUSICAL, e não um brinquedinho que o som sai pronto ao soprar ou aspirar. Exige-se ESTUDO, DEDICAÇÃO, PACIÊNCIA, como para qualquer outro instrumento musical. Por isso recomendamos sempre: prestigie o profissional da música! Veja quantos talentosos professores nós temos no Brasil e procure um que mais lhe seja próximo e tenha esta experiência: faça aulas! Você verá que seu desempenho será muito mais rápido e eficiente.